Daniel Nogueira de Lima

Quem sou

Vivo e trabalho em São Paulo – 1978.

Artista Plático formado pela faculdade Santa Marcelina, termino o bacharelado em 2006. Começo a trabalhar com cenografia em 1994, como assistente da cenografa Luciana Bueno. No começo os cenários eram de teatro, e passei por: escola de samba, curta metragem e publicidade. Ao ingressar na faculdade aos poucos a minha atenção mudou da cenografia para as artes visuais. Inicio minha pesquisa em artes com a observação da cidade, com o registro de sua paisagem e principalmente de seus sistemas urbanos. Atualmente faço reflexões sobre a relação da cidade com a energia eletrica.

Deixe uma resposta

[SEJA BEM VINDO]

“O que está claro é que não há escapatória para o artista não-figurativo; ele tem que permanecer dentro de seu campo e, como conseqüência, caminhar em direção da sua arte. Esta conseqüência nos leva, num futuro talvez remoto, em direção ao fim da arte como uma coisa separada do ambiente que nos circunda, o qual é a própria realidade plástica presente. Mas, este fim é ao mesmo tempo um novo começo. A arte não apenas continuará, mas realizar-se-a mais e mais pela utilização da arquitetura, escultura, e pintura, uma nova realidade plástica será criada. A pintura e a escultura não se manifestarão como objetos separados, nem em forma de “arte muralista” ou “arte aplicadora”, mas sendo puramente construtivas, ajudarão na criação de ambiente não meramente utilitário, mas também puro e completo em sua beleza.”

Mondrian. Retirado da página 17 do livro de Hélio Oiticica – ASPIRO AO GRANDE LABIRINTO.